Google+ Badge

terça-feira, 21 de outubro de 2014

--Deus é maravilhoso.-- Mamãe e bebê felizes.

Ois pessoal!!!!! nossa, hoje foi um dia extremamente importante pra mim.  Um dia que não esquecerei jamais. Um dia que marcou meu mês de Outubro. Um dia que trouxe paz ao meu coração.
Mas antes de dizer o que ocorreu, queria iniciar este post dizendo que sábado eu passei super mal. Minha barriga acabou endurecendo, e eu sentia muita dor. (chamam isso de contrações de treinamento.)
Tive que seguir então rumo a maternidade, quando ja passavam de 22:00. Estava morrendo de medo do João Lucas acabar nascendo antes da hora. E aí, que faríamos?
Demoraram um pouco pra me atender, mediram a minha pressão que estava 13 por 7, sendo que o normal dela é 10 por 6, e depois foram ouvir o coraçãozinho dele, que pulsava a todo vapor. tumtum, tum tum....
 Por fim o médico plantonista, foi fazer exame de toque pra ver se o colo do meu  útero ainda estava fechado, e graças a Deus estava. Ele me receitou o mesmo remédio que eu ja estou tomando, (o buscopan, e me disse pra ficar de repouso.)
Disse que essas dores podem seguir até o fim da gestação, e que eu não precisaria me preocupar pois se seguice todas as recomendações, ele não nasceria antes do tempo.
No domingo eu estava disposta, e fiz bastante comida por aqui. saiu até um muce de maracujá que eu não comia a céculos. Se vocês querem saber, fiquei só com o cheiro. A galera presente comeu tudo, e não sobrou nada pra mamãe aqui. Mas não tem portância.
Ontem eu não fiz nada de importante, e sentia poucas dores. Hoje foi dia de mais uma consulta com a minha obstetra, e eu levei pra ela o exame de sangue que eu fiz na semana anterior, que foi pedido pela Mirian Alira, e ela me disse algo que eu fiquei radiante:
Eu não tenho diabete gestacional. Ela disse que eu estou super bem, e a balansa também anda coperando comigo, pois eu tenho conseguido me manter na faixa, e engordo somente 1 kilo por mês. (nem me perguntem como é isso.)
Sei-la. Eu como muita salada, mas não faço mais nada além. E eu não vejo a cara de uma barra de chocolate a uns 3 meses.
Agora não posso. Tive que parar um pouco.
E nós também fomos conversar sobre meu parto, e eu já estava em pânico por ter que arrumar não sei onde 2000 reais pra pagar a minha cesariana.
+ Ela disse que não vai cobrar nada.
Que fica tudo incluso pela unimed.
Ufa, que alívio. Isso já estava tirando meu sono. Senão tivesse como pagar, eu ia ter que cair na mão de qualquer plantonista que estivesse presente no dia, e torser pra que desse tudo certo. Talvez ele até tentaria fazer com que eu tivesse um parto normal, mas e se eu não tivesse dilatação suficiente? Sabe Deus quantas horas eu ficaria lá em trabalho de parto, aff eu nem gosto de pensar nessas coisas.
Isso foi uma verdadeira bénção de Deus, pq eu ainda estou afastada pelo INSS, e não ia conseguir pagar essa cesariana nunca. Não da. E ela também me examinou mais um pouco, ouvimos o coraçãozinho do JL, que continua a todo vapor, e ela confirmou o que o plantonista da maternidade me disse. Que se eu tomar o buscopan e ficar de repouso, o JL espera até Fevereiro que é o mês em que ele já poderá vir ao mundo.
P.s:
Minha Suzynha foi castrada hoje. Ela passa muito mal quando entra no sio, e não tivemos outra opção. Apesar de ainda estar molinha por causa da  anestesia, ela está bem graças a Deus. #não vejo a hora de ver ela pulando e correndo pela casa.
Será adcionado abaixo, um texto que eu li e achei mega interessante.
Bom, esse post está longo demais. Enserro por hoje minhas atualisações, e em breve retornaremos! Beijos!


Andressa Basilio

Editora Globo
É perto dos oito meses que seu bebê vai falar as primeiras palavras, mas você sabia que mesmo antes de o bebê nascer, ele já começa a aprender noções de linguagem? De acordo com o neuropediatra Mauro Muszkat, da Universidade Federal de São Paulo, por volta da 26ª semana de gravidez da gestante, o feto já está com o sistema neurológico e de audição totalmente formado e pronto para atender aos estímulos do mundo de cá. Aqui, você confere cinco bons motivos para bater um papo bem gostoso com bebê ainda dentro da barriga.

1) Primeiro contato com a linguagem
Muitos estudos já foram feitos para descobrir o momento em que começam as primeiras experiências de linguagem e aprendizado de uma criança. O mais recente deles, feito pelo Instituto Nacional de Saúde e pelo Hospital da Criança de Estocolmo, com 40 recém-nascidos americanos e 40 suíços, todos com menos de 30 horas de vida, mostrou que os bebês prestam mais atenção à língua nativa.

Para chegar a esse resultado, os bebês receberam mamadeiras que monitoravam a intensidade do movimento de suas bocas e mandavam a mensagem a um computador. Enquanto os bebês sugavam as mamadeiras, as mães pronunciavam algumas vogais.

Os pesquisadores perceberam que quando as vogais eram pronunciadas na linguagem nativa do bebê, os batimentos cardíacos se aceleravam e ele parava de sugar o leite, como se estivesse prestando atenção. Já quando o som lhe era desconhecido, ou seja, as vogais de uma língua estrangeira, ele parecia não ouvir e continuava a mamar tranquilamente.

2) Ambiente seguro
Outro estudo, realizado pela Universidade de Brasília, testou a capacidade do recém-nascido de reconhecer a voz da mãe. Usando aparelhos de medição de respiração e frequência cardíaca, especialistas conseguiram observar as reações dos bebês ao ouvir música em três momentos: uma canção de ritmo acelerado cantada por uma voz masculina, uma de rimo lento cantada por outra voz masculina e a mesma música lenta, só que cantada pela mãe da criança.

“Quando era a mãe que cantava a canção, a frequência cardíaca e a movimentação do bebê ficavam mais tranquilas, a atenção era maior também”, notou a terapeuta ocupacional Mônica Lemos, uma das líderes da pesquisa,. “Quanto mais precoce for esse contato da mãe com o bebê, mais seguro ele vai se desenvolver. E uma criança segura aprende mais fácil, se relaciona melhor, é mais aberta”, completa a pesquisadora.
Editora Globo


3ª) Estreitamento de vínculo
Quando nós ouvimos a voz de alguém ou uma música, guardamos aquele som na memória e conseguimos identificar o autor, cantar trechos da música e até resgatar situações associadas ao que estávamos fazendo enquanto ouvíamos aquele som. Com os bebês, porém, o processo funciona um pouco diferente.

“Tudo o que o bebê escuta é organizado em áreas mais emocionais do cérebro, ou seja, ele não tem uma memória consciente, mas resgata os sons por meio de sentimentos e sensações”, explica o neuropediatra Mauro Muszkat, da Universidade Federal de São Paulo.

Isso significa que tudo o que a criança sentir está intimamente relacionado aos sentimentos da mãe. Com a música é a mesma coisa. Quando a mãe escuta ou canta uma música que ela gosta, isso desperta no feto uma reação de bem-estar e vice-versa. “Quem seleciona o que a criança gosta ou não é o próprio sistema afetivo emocional da mãe. Aquilo que a ajuda a relaxar, aquilo que traz alegria ou aquilo que a deixa irritada vai ser transmitido para a criança através dos sentimentos”, finaliza o neuropediatra.
4) Ajuda na adaptação do novo mundo
O útero é um lugar escuro e quentinho, onde o bebê se sente calmo, seguro e protegido. Quando ele nasce, tudo muda. “Com o parto, a criança passa por um período de adaptação ao toque, aos sons e às luzes. É muita coisa de uma vez só”, explica o professor de neurologia da Universidade de Brasília e membro da Sociedade Brasileira de Pediatria, Carlos Nogueira Aucelio. Já sabendo disso, se a mãe começar a conversar bastante com a criança e, mais do que isso, aprender a colocar sempre algum tipo de música para o bebê, isso ajudará nessa adaptação. “O som que o recém-nascido ouvia na barriga gera uma lembrança da época em que ele estava seguro no útero”, afirma o professor.

5) Auxilia no aprendizado cognitivo

A música mexe com aspectos emocionais. Isso significa que quanto mais cedo os pais apresentaram para a criança essa combinação de sons como uma forma positiva, relaxante e feliz, maior é a tendência de a criança usar a linguagem musical como forma de aprendizado e desenvolvimento cognitivo.

O pai também pode

Conversar com a barriga pode ser algo estranho e até embaraçoso no começo, especialmente para os pais. Porém, mais importante do que superar a barreira da vergonha é o pai explicar para a criança que, assim como a mãe, ele também faz parte da vida dela. “Uma coisa que a gente fala para os pais é que a mãe está ali o tempo todo, o bebê já nasce ouvindo a voz e sentindo o cheio dela. Do pai não. Ele precisa fazer a criança ouvir sua voz, tocar a barriga da mãe para a criança sentir o toque, é importante que o pai entre em contato com o bebê. Apesar de o feto não entender o significado das palavras, ele consegue perceber o carinho”, ensina Mônica Lemos. Por isso, a dica é deixar qualquer inibição de lado e conversar com a barriga, sim. Vale tudo, contar como foi o dia, fazer brincadeiras com o bebê, colocar uma música que você gosta de ouvir. O importante é vocês, pais e mães, constituírem uma relação verbal com a criança desde muito cedo e avisá-la de que quando ela chegar vai encontrar muito amor e carinho por aqui.
Editora Globo
É essencial que o pai converse com o bebê e mostre que também é importante na vida da criança

2 comentários:

Dani disse...

Poxa Dorinha...eu também já estou sentindo essas contrações, a barriga vez ou outra endurece, mas não sinto dor...um alívio.
Muito bom saber que estão bem!!!
Bjss
http://agoraeuquerosermae.blogspot.com.br/

dorinnha radashy disse...

Oi dany! aqui as coisas tem ficado difíceis, e eu ando sentindo muita dor. não sei + que fazer. obrigada pelo comentário! beijooosss.