Google+ Badge

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

--- entendendo sobre os homens..... --

Oois galera! bom, eu estava lendo o sit www.redealeluia.com.br, e encontrei um texto, que explica várias coisas importantícimas sobre o sexo masculino, e decidi compartilhar com vocês pois nós, ( as mulheres), muitas vezes ficamos cheias de dúvidas com relação aus homens e suas variadas atitudes/comportamentos.
Acompanhe os textos a baixo, e não esquece de comentar, viu?
Beijos.

carlos.gutemberg@arcauniversal.com

A pesquisa, feita pela Universidade de Harvard, foi realizada com centenas de casais urbanos de Boston e arredores, de várias idades, faixas econômicas e origens étnicas, que vivem em harmonia ou não.
Em conversas monitoradas para resolver certas situações de conflito, os cientistas checavam a capacidade de interação entre os casais, e o comportamento em relação aos sentimentos do outro podia ser classificado entre “muito negativo”, “neutro” e “muito positivo”.
Diante da coleta de dados, os pesquisadores concluíram que a satisfação no relacionamento está diretamente ligada à habilidade do homem em perceber as emoções positivas de sua companheira corretamente. Se eles percebem a mulher feliz, por exemplo, investem mais na relação. Se a percebem insatisfeita, tendem a se esforçar menos.
Entretanto, ao contrário do que os estudiosos esperavam, quando as mulheres percebiam que os parceiros estavam irritados ou insatisfeitos, elas não deixavam de se sentir felizes. Se o homem percebe algo negativo no sentimento da mulher, vê isso como uma ameaça à relação, o que a mulher não vê da mesma forma.
Em algo que parece óbvio, os cientistas alegam que não basta apreciar o que o homem faz, mas saber comunicar a ele a apreciação – mesmo que não seja verbalmente. Também obviamente, isso é aplicável a ambos os sexos. Antes disso, mesmo se o homem só tentar essa empatia, a mulher vê como um bom sinal e já começa a se sentir mais feliz.
Isso pode até fazer surgir a pergunta: “Mas, é preciso uma análise científica de Harvard para concluir isso?”. Bem, se perceber o que parece óbvio nesse sentido é tão fácil, por que mais casais não tentam?
Segundo os pesquisadores, o estudo pode encorajar alguns casais nessa tentativa – perceber mais as vitórias e tentativas, apreciar mais e saber comunicar a satisfação. É uma daquelas coisas que parecem mesmo bem claras, mas que passam despercebidas pela maioria. E só é notada quando alguém nos mostra, embora estivesse evidente o tempo todo.

 o pensamento “machista” de boa parte das pessoas é perceptível. Ainda hoje é possível escutar muita gente dizendo aquela velha frase: “Homem não chora!”
O que é preocupante nesse contexto é que, a partir desse pensamento, muitos homens sofrem e não procuram ajuda para resolver os seus problemas emocionais – seja por vergonha de se expor ou por acreditar, realmente, que não padecem de um amor mal resolvido.
A psicanalista Taty Ades afirma que o inferno do amor patológico, doentio, não acomete apenas pessoas do sexo feminino. Ela já se surpreendeu com os inúmeros depoimentos que escutou de homens doentes por amor.
Segundo ela, a maioria das pessoas pensa que sofrer por amor ou ser codependente amoroso é uma situação que só afeta o público feminino. Isso ocorre porque ainda vivemos em uma sociedade onde os homens são considerados fortes e as mulheres frágeis.
“O mundo machista não deixa que a ala masculina admita que também sofre de amor patológico”, ressalta a psicanalista.
“Coisa de mulherzinha”
Por essa razão, muitos homens precisam de tratamento e ajuda profissional, após passar por problemas desse tipo, mas não têm coragem de assumir ou realmente acham que são fortes e que sofrer por amor é “coisa de mulherzinha”.
A psicanalista mergulhou na dor masculina e descobriu particularidades desses amores mal resolvidos que atingem muitos homens. Após frequentar grupos de apoio, por 2 anos, ela escreveu um livro, reunindo depoimentos daqueles que sofrem de amor patológico e codependência.
Tentando modificar o passado
Taty explica que desde pequenos os homens são condicionados a serem fortes, a não chorarem e não assumirem que estão sofrendo por amor.  Muitas vezes, os sintomas são sutis e ninguém nem percebe.
“Se o homem vê que está se afastando dos amigos, que não pratica as atividades que gosta, está cada vez mais isolado e obcecado pela parceira, querendo modificá-la e colocando-a no centro de sua vida, ele está doente e viciado em amor”, atesta a psicanalista.
Ela explica que as causas são diversas e que podem, inclusive, vir da infância, de uma fase em que o homem não recebeu a atenção que desejava. Isso faz com que ele veja na companheira a chance de modificar o passado.
Alguns casos mais graves acabam da pior maneira possível, com crimes passionais. Para evitar que a situação chegue a esse ponto, é preciso buscar ajuda de um profissional, na tentativa de superar a doença.

Na intimidade dos casais, é muito comum que o marido pegue no sono logo após o fim da relação sexual. Tal comportamento, no entanto, pode não ser entendido pela esposa, levando-a a acreditar que isso é um sinal de que há algum problema no relacionamento entre os dois.
Uma recente pesquisa da University of Surrey, na Inglaterra – que envolveu a digitalização dos cérebros de homens durante e após o orgasmo –, traz uma explicação para esse tipo de situação.
O estudo constatou que, nos homens, o córtex cerebral – que desempenha um papel vital na consciência de atenção e sensibilização perceptual – se desliga quase que imediatamente após a ejaculação.
De acordo com o cientista Serge Stoleru, um dos pesquisadores envolvidos, nas mulheres isso não acontece. "Elas não parecem ter um período refratário tão forte e por isso se perguntam por que o parceiro pensa imediatamente em descansar, após o ato sexual."
Ainda segundo o levantamento, o cérebro masculino desliga quase todo o desejo sexual após o orgasmo. Dessa forma, o homem passa a ter o seu organismo inundado com substâncias químicas de indução ao sono, como a serotonina.
O diretor da universidade, Neil Stanley, explica que os seres humanos são os únicos animais em que o sono e o sexo estão ligados e, por isso, há razões científicas que explicam o cansaço que os homens sentem após o sexo.
O estudo também comprovou que o público masculino se sente mais relaxado após o ato sexual. Para 80% dos homens seria perfeitamente possível mudar o foco para outra situação depois do sexo, o que só aconteceria em 46% das mulheres.

Um comentário:

Fernanda!!!! disse...

Ee menina.
Adorei o texto, e pude entender mais desses seres que chamamos de homens.
Posta mais textos assim, que eu vou gostar.
Beijooos.
Fer.