Google+ Badge

terça-feira, 7 de agosto de 2012

-- um texto sobre o amor. ( não é de minha altoria)



       1.1 JUSTIFICATIVA
            O ser humano tem capacidades de expressar o sentimento “amor” de várias maneiras, independente de sua religião. É necessário compreender que o amor não pode ser entendido apenas como sentimento, baseado em histórias somente platônico ou irreal. O amor precisa ser realizado, deve ser uma ação e ser experimentado verdadeiramente.





























2. CARACTERÍSTICAS DO AMOR
A Bíblia descreve o amor em 1 Coríntios 13:4-7 sendo:
O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não se vangloria, não se ensoberbece, não se porta inconvenientemente, não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não suspeita mal; não se regozija com a injustiça, mas se regozija com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.                                                                                                                  
O amor é entendido das mais diversas formas, tratando-se de várias características. De acordo com a língua portuguesa, o significado é muito amplo, das mais diversas formas de expressar, podendo ser afeição, compaixão, misericórdia, e também inclinação, atração, apetite, paixão, querer bem, satisfação, desejo, conquista, libido, etc.                                                                   O amor é caracterizado de maneira geral, a formação de um vínculo emocional com alguém, que seja capaz de receber e dar de forma amorosa. Trata-se do amor como estímulos sensoriais e psicológicos necessários para sua manutenção e motivação. Para muitas pessoas é a maior de todas as conquistas do ser humano. Sendo assim o amor é o nível de grau de responsabilidade, com pessoas e coisas que lidamos.                                      O tipo de amor é caracterizado da maneira que a relação com outra pessoa que motiva a amar, no sentido de querer bem e agir em prol ao outro. Os significados de amor ocorrem não só nos idiomas de hoje, mas já existia no grego e no latim. No grego existem vários significados da palavra amor, dando vários sentidos diferentes, já no latim é encontrado de outra maneira, segundo o WIKIPÉDIA “[...] No latim encontramos amor, dilectio, charitas, bem como Eros, quando se refere ao amor personificado numa deidade.”
O amor é o resumo da lei de Deus. A Bíblia diz em Mateus 22:37-40:
Respondeu-lhe Jesus: Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento. Este é o grande e primeiro mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas.
Amar traz sentido também de gostar muito, podendo ser possível amar qualquer ser vivo ou objeto ao seu redor. No próximo tópico está relatando sobre os tipos de amor que o ser humano perante Deus pode possuir de acordo com a vontade Dele e seu querer.
3. TIPOS DE AMOR
3.1. AMOR INCONDICIONAL
Amor incondicional significa amor pleno, completo, absoluto, que não impõe condições ou limites para se amar. Quem ama de forma incondicional não espera nada em troca. O amor está em primeiro lugar.                                                 O amor incondicional é generoso, altruísta e infinito. É o típico “amor de mãe”, que é dado livremente, independente do que recebe de volta.                        No grego, ÁGAPE – "amor sacrifical" - Foi o amor que levou Jesus a morrer pela humanidade. Sendo esse amor incondicional, quando entregou Jesus Cristo, o seu único filho, para ser sacrificado. Deus ama de forma incondicional porque ama a todos, independente do amor dedicado a Deus por cada pessoa, segunda a bíblia, em I João 4:10: “Nisto está o amor, não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou a nós, e enviou seu Filho para propiciação pelos nossos pecados.”
Nada nos pode separar do amor de Deus. A Bíblia diz em Romanos 8:38-39
Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem anjos, nem principados, nem coisas presentes, nem futuras, nem potestades, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor.
O amor de Deus é um amor de sacrifício. A Bíblia diz em João 3:16 “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.”
3.2. AMOR FAMILIAR
·        ENTRE HOMEM E MULHER:
Em Génesis 2:18 – Lemos no capítulo 1 que tudo quanto Deus criara era "muito bom". Aqui pela primeira vez constatamos algo que “não era bom’”.      Realmente não é bom que o homem fique sozinho. Uma auxiliadora foi criada por Deus para estar com ele. "Idônea", ou, "aquela que lhe corresponde” ou "que está como diante dele".                                                                             Existem situações em que pessoas ficam sós.      O ideal da criação de Deus é que cada homem tenha sua esposa, cada mulher o seu marido. Também no mesmo livro, no capítulo 2:24, há três princípios sobre matrimônio neste texto:
            Deixar pai e mãe – Gênesis originalmente foi escrito na língua hebraica. No hebraico há um verbo forte aqui, com o sentido de "abandona". Não somente deixar pai e mãe. É abandonar!                                                 Obviamente que não há o sentido de desprezo nesta ideia. Mas, sim, de uma real separação. O ideal é que o novo casal more LONGE dos pais dele ou dela. Porque iniciam vida nova. O casal agora é uma família: seus pais são apenas parentes.                                                                                                               O casal aprende a resolver todos os seus problemas por si só. Sem a interferência "da barra da saia da mãe". Suponhamos uma situação em que marido-mulher encontra-se em discordância ou problema. Ele ou ela procuram a "mãezinha". O que essa mãe (ou sogra) responderá? Se for realmente sábia, dirá: "Não me conte nada! Volte para seu lar! Resolvam vocês mesmos!”.
            Une-se à sua mulher (união – O fator "UM") – tal princípio vale para ambos: Ele & Ela. Porém a maior ênfase é ao homem. O marido se une à sua mulher. Este é o princípio da FOCALIZAÇÃO. Ele focaliza sua atenção NELA. Geralmente é mais comum que MULHERES focalizem sua atenção no lar. São elas que engravidam, amamentam... O marido é que tem que aprender que, casando-se, sua vida é a ESPOSA; sua vida são os filhos; o lar enfim. Seus pensamentos têm que estar 100 % voltados para o lar.                                                           Tornando-se os dois uma só carne – ambos uma só pessoa, na matemática de Deus 1 + 1 = 1. È uma linda semelhança com Deus: Deus é um, e ao mesmo tempo, TRÊS. O casal é um, e ao mesmo tempo duas pessoas.         Há um erro que as pessoas fazem ao dizer – "caso-me com fulano; dou 50% de minha vida a ele”; ele me dá 50% também. Somados, somos um casal 100%. Erradíssimo. Se cada um dá só metade, a quem darão a outra metade? E na matemática de Deus, duas metades somadas resultarão num casamento pela metade.
·        O certo é: o homem inteiro (100%) doado à sua esposa;
·        A mulher inteira (100%) doada à seu marido;
·        Ambos somados dá exatamente 100%, nada menos, nada mais!
Em Génesis, está escrito: “[...] estavam nus e não se envergonhavam!”
Há dois sentidos para "estar nu":
Físico: (corpo, sexo, contato íntimo, carícias, etc.) – esta parte é objeto de um estudo especial a respeito. Sobre a benção do sexo, do íntimo contato matrimonial                                                                                                                    Mental: (conversa, relacionamento humano, sem segredo, sem barreiras!) Estar nu, especialmente na MENTE: desnudam-se um perante o outro. Relacionamento saudável! Pois guardar segredos adoece o casal. Rancores guardados transformam-se em ressentimento com "mau cheiro". È terrível um casal onde não existe liberdade de expressão, onde cada um não pode falar o que gostaria de falar!                                                                                     Perante o cônjuge, abrimo-nos inteiramente. Não há barreiras, máscaras, nada. A mulher conhece cada defeito dele; as fraquezas e limitações de seu marido.                                                                                                          O homem conhece cada defeito dela; suas fraquezas e limitações. Isso é saudável. Pessoas que não abrem seu coração a seu próprio cônjuge, ou, a ninguém, tornam-se neuróticas. Abrigam no próprio ser problemas que nunca se resolvem porque não são ventilados. Emboloram. Tornam-se ranzinzas e insatisfeitas. Como é bom ter alguém para desabafar, abrir o coração, falar tudo, ser compreendido! E esse é o melhor amigo (ou amiga) é o próprio cônjuge.
Como desenvolver o amor entre um casal?
O amor "apaixonado" de namorados continua na vida conjugal?
Os anos de casamento faz o amor crescer ou diminuir?

 











Essas são as mais graves e importantes perguntas para um casal. Pois nelas se encerra toda nossa vida. O casamento depende do amor: nasce no amor, vive do amor, e sem amor o casamento acaba. Dois lados: um triste, outro glorioso.                                                                                                                No Brasil, há alguns anos, uma estatística demonstrava: 40% dos casamentos terminam em desquite. Isso significa que em 10 casamentos feitos hoje, 4 se desfarão amanhã! E isso sem contar os casais que, embora "vivendo juntos", não se compreendem, apenas "tolera-se".                                                      Um casal que se une realmente pela vontade de Deus, tem um amor CRESCENTE. O amor de namorados, depois de noivos, depois de lua de mel, vai se desenvolvendo. Quanto mais se passam os anos, maior é o amor conjugal! A compreensão, a ternura, a satisfação, tudo aumenta!
Como responder àquelas três perguntas acima?
PRIMEIRO: o Amor vem de Deus. Como está em I João 4:8: "Aquele que não ama, não conhece à Deus, pois Deus é amor." E também no versículo 7 do mesmo capítulo:  "Amemo-nos uns aos outros, porque o amor procede de Deus; e todo aquele que ama é nascida de Deus, e conhece a Deus". No versículo 11: "Se de tal maneira nos amou, devemos nós também amar uns aos outros". Só um casal que tem Deus no lar, é que tem o amor crescente. Pois Deus é quem sustenta, alimenta, desenvolve o amor!                   Ilustração; um casal "quente", "apaixonado", pode ser comparado a um prato com comida quentinho. Tal prato é colocado sobre uma mesa. Passam-se 2 horas: está gelado. Outro casal, mesmo não tão "quente", é como um prato com comida fria. Tal prato é colocado sobre a chapa de um fogão a lenha. Passam-se muitas horas: o prato se aqueceu e não esfria!                            Só um casal "em Jesus" é que não se esfria com o passar do tempo.
[...] à imagem de Deus o criou, homem-mulher, citado em Génesis 1:27.
Completando a passagem da Bíblia no livro de Romanos 8:29: Deus nos predestinou para sermos CONFORMES À IMAGEM DE SEU FILHO [...]".           Só duas pessoas que TEMEM A Deus é que são transformadas à própria imagem de Deus. Faz parte desta "figura" divina implantada no casal, o AMOR.
SEGUNDO: o amor não é "paixão". Há um provérbio popular que faz uma caricatura do casamento: "O amor é uma flor roxa que nasce no coração do trouxa! "Amor-paixão é assim mesmo: imaturo, infantil, irracional, errado. Pega fogo num minuto, noutro já apagou. Esse o "amor" que levam muitos a um casamento apressado, infeliz, fracassado. Numa passagem em Filipenses 1: 9 e 10, complementa: [...] e também faço esta oração: que o vosso Amor aumente mais e mais em pleno conhecimento e toda percepção, para aprovardes as coisas excelentes[...].                                                                        Amor é CONHECIMENTO. Conhecimento tem a ver com nossa capacidade de decisão: nós somos capazes de "tomar a decisão de amar".
"Amar" não é ser "arrebatado" por um sentimento irracional por um fulano qualquer. "Amar" (amor verdadeiro) é DECIDIR amar alguém. É conhecer a pessoa e adquirir a habilidade de perceber se essa é a pessoa certa para o casamento. Perceber "aprovar as coisas excelentes".                           TERCEIRO: o amor de Deus é ÁGAPE. O idioma original do Novo Testamento, o grego, possui entre outros o FILIA, que significa "amor familiar" – É "amar a quem ama", é gostar só de quem gosta de mim. É só fazer o bem a quem também possa me ajudar.D ar tudo. Sacrificar-se.                                      QUARTO: o amor deve ser cultivado.
No namoro há coisas características e peculiares: beijos, segredos, bilhetes, flores, perfume, carícias, surpresas, cartinhas, presentes, etc.
Por que tudo isso não continua na vida conjugal?
Uma moça, no namoro, se enfeita toda para encontrar-se com o "amado". Depois casa-se com ele. Não se enfeita mais, e desanda a engordar. Não cultivou o amor. Um rapaz dá flores à namorada, bilhetes, etc. Casa-se com ela. Não dá mais rosas nem cartinhas. Não está cultivando o amor.
O romantismo do namoro deve ser preservado, cultivado, cuidado, como se fosse uma plantinha delicada que sem água seca logo. As coisas mais "FÚTEIS": beijinhos, carinhos, palavras românticas, etc. são as mais importantes para um casal se amar sempre!
·        ENTRE MÃE E FILHO (AMOR MATERNAL):
A palavra MATERNO, no dicionário da língua portuguesa, é referida como: “Da mãe; próprio da verdadeira mãe; carinhoso; designativo de parentesco do lado da mãe, termo afetuoso; carinhoso” (Bueno, 1986, p.708).
Qual o conceito bíblico em ser mãe?
Ser mãe é um papel muito importante que o Senhor escolhe para dar a muitas mulheres. Às mães é dito que amem seus filhos em Tito 2:4-5, que diz: “Para que ensinem as mulheres novas a serem prudentes, a amarem seus maridos, a amarem seus filhos, A serem moderadas, castas, boas donas de casa, sujeitas a seus maridos, a fim de que a palavra de Deus não seja blasfemada.”                                                                                                                 Em Isaías 49:15a a Bíblia diz: “Porventura pode uma mulher esquecer-se tanto de seu filho que cria, que não se compadeça dele, do filho do seu ventre?” Quando se começa a ser mãe?                                                                        Os filhos são presentes do Senhor (Salmos 127:3-5). Em Tito 2:4, aparece a palavra grega “phileoteknos”. Esta palavra representa um tipo especial de “mãe-amor”. A ideia que esta palavra evoca é de “preferir” nossos filhos, “cuidar” deles, “alimentá-los”, “abraçá-los” com amor, “satisfazer suas necessidades”, “amavelmente ser amiga” de cada um como único vindo da mão de Deus. A Escritura nos ordena para que vejamos “mãe-amor” como nossa responsabilidade. A palavra de Deus ordena tanto às mães quanto aos pais para que façam várias coisas na vida de seus filhos, dando:

Disponibilidade – manhã, tarde e noite (Deuteronômio 6:6-7).         Envolvimento – interagindo, colocando pontos de vista, pensando e processando a vida juntos (Efésios 6:4).                                        Ensinamento – sobre as Escrituras, a visão bíblica do mundo (Salmos 78:5-6, Deuteronômio 4:10, Efésios 6:4).                                                             Treinamento – ajudando o filho a desenvolver habilidades e descobrir seu potencial (Provérbios 22:6).                                                                               Disciplina – ensinando o temor do Senhor, ensinando seus limites de forma consistente, amorosa e firme (Efésios 6:4, Hebreus 12:5-11, Provérbios 13:24, 19:18, 22:15, 23:13-14, 29:15-17).                                                          
Nutrição – provendo um ambiente de constante apoio verbal, liberdade de falhar, aceitação, afeto e amor incondicional (Tito 2:4, II Timóteo 1:7, Efésios 4:29-32, 5:1-2, Gálatas 5:22, I Pedro 3:8-9).                                                       Exemplo com integridade – vivendo de acordo com o que ensina, sendo um modelo com o qual o filho possa aprender “captando” a essência de um viver piedoso (Deuteronômio 4:9, 15, 23; Provérbios 10:9, 11:3; Salmos 37:18, 37).          A Bíblia nunca ordena que todas as mulheres devam ser mães. Contudo, diz que aquelas que o Senhor abençoa e se tornam mães devem tomar seriamente tal responsabilidade. As mães têm um papel único e crucialmente importante nas vidas de seus filhos. A maternidade não é um trabalho ou tarefa desagradável. Da mesma forma com que uma mãe gera seu filho durante a gravidez, e da mesma forma com que a mãe alimenta e cuida de seu filho durante a infância, as mães têm também um papel constante na vida de seus filhos, adolescentes, jovens adultos e até filhos completamente adultos. Enquanto o papel da maternidade deve se transformar e se desenvolver, o amor, cuidado, educação e encorajamento que uma mãe dá nunca devem terminar.
·        ENTRE PAI E FILHO (AMOR PATERNAL):
A palavra PATERNO no dicionário HOUAISS ON-LINE, é referida como: “inerente ao pai, paternal, procedente do pai,  que lembra o amor de pai; carinhoso e afetuoso”.                                                                                                                  Qual o conceito bíblico em ser pai?
            De acordo com a bíblia, a figura “paternal” se inicia em Génesis 2: 15,17:
Tomou, pois, o Senhor Deus o homem, e o pôs no jardim do Édem para o lavrar e guardar. Ordenou o Senhor Deus ao homem, dizendo: De toda árvore do jardim podes comer livremente;
mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dessa não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás.

Deus foi o Criador e Tutor dos primeiros seres humanos: Adão e Eva. Deus demonstrou com Sua atitude como Adão e Eva e nós deveríamos agir com os filhos. Deus esboçou o comportamento que os pais devem ter na arte de educar os filhos.
É dever da figura paterna, prover ambiente ideal para seus filhos. Deus colocou Seus filhos num lugar adequado, preparado exclusivamente para eles, mas advertiu-os dos verdadeiros perigos. Por isso Deus dá ordens, atividades e responsabilidades a fim que eles não fiquem com a mente desocupada.
O ambiente deve transmitir paz: Os pais devem formar um ambiente calmo e tranquilo a seus filhos, conversar com eles, dar responsabilidades, etc.
O ambiente deve ser pedagógico: Os pais devem prover os recursos para o bom desenvolvimento de seus filhos, não devem inventar perigos onde não há (bicho papão, fantasma, etc.) e omitir onde há (televisão, computador, vídeo games, etc.).
O ambiente deve ser bem localizado: Os pais precisam colocar seus filhos em lugares agradáveis e avisá-los e adverti-los dos possíveis perigos de ultrapassar os limites.
            Também é dever paterno, apresentar a realidade do BEM e do MAL, como Deus apresentou as vantagens da liberdade de escolha "de toda árvore comerás livremente", porém, também apresentou os limites da liberdade "[...] mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás". Génesis 2:16,17.
A realidade da liberdade: Os pais devem elucidar aos filhos o caminho do bem, suas vantagens e seus limites.
A realidade da vida e da morte: Os pais devem mostrar o caminho da liberdade a seus filhos e onde termina essa liberdade. A função dos pais é revelar aos filhos o rumo do sucesso e o desvio do fracasso, o caminho da vida e o desvio da morte.
A realidade do grande conflito entre o bem e o mal: Os pais jamais devem esconder a linha divisória entre o certo e o errado, o bem e o mal. Se tem algo que deve estar bem claro e nítido aos filhos é essa divisória antes de castigá-los. Cometer erros sem orientação não é desobediência, é ignorância. Castigar sem avisar é um erro contra o inocente.
            Ser claros e verdadeiros com os filhos e alertando sobre a consequência do mal, é mais um dos conselhos divinos. Deus revelou claramente as consequências da desobediência caso Seus filhos ultrapassassem os limites em Génesis 2:17: “pois no dia em que dela comeres, certamente morrerás”.
As consequências do pecado: Os pais devem ser claros quanto aos direitos e deveres dos filhos e quanto as desvantagens e problemas de ignorá-los. Pecado é a transgressão dos direitos e deveres instituídos pelo Pai Celestial. O resultado do pecado é a morte!
As consequências da desobediência: Os pais devem deixar esclarecidos aos seus filhos que a desobediência encurta a vida (Êxodo 20:12)
As consequências das escolhas erradas: Os pais não devem superproteger ou decidir tudo a seus filhos, mas devem ensinar e permitir que seus filhos decidam e escolham sabendo das devidas consequências. (Claro que os pais devem ser sábios para fazer isso baseado na idade e no desenvolvimento dos filhos).
O verdadeiro PAI é o que comtempla o amor, a misericórdia e o cuidado de Deus através das páginas da Bíblia a fim de que sejas influenciado pela paternidade divina.







·        ENTRE FILHOS E PAI
Filhos que Dão Prazer ao Senhor
Muita das vezes um filho não consegue compreender a proteção e segurança que seus pais têm a oferecer, lutam para que seu filho entenda que é para seu bem. È dessa maneira que os pais devem preparar seus filhos para levarem vidas independentes num mundo perigoso. A Bíblia observa que "o ornato dos jovens é a sua força, e a beleza dos velhos, as suas cãs” (Provérbios 20:29). Cabelos grisalhos, por serem de costume associados com idade avançada, representam frequentemente sabedoria e experiência. Os pais já aprenderam sobre alguns dos perigos da vida e experimentaram outros, e estão assim capacitados a ajudar seus filhos a evitar muitos erros sérios . . . se os filhos aceitarem ser guiados por seus pais!                                                         
Filhos, obedecei a vossos pais!
O apóstolo Paulo afirmou que os filhos têm responsabilidade em obedecer a seus pais. Ele escreveu aos Efésios, "Filhos, obedecei a vossos pais no Senhor, pois isto é justo" (Efésios 6:1). É interessante que Paulo não escreveu, "Pais, façam com que vossos filhos vos obedeçam." Naturalmente os pais são responsáveis por ensinar e corrigir seus filhos, mas Paulo dirigiu-se aos filhos e colocou sobre eles a responsabilidade por obedecer a seus pais. É certamente verdade que esses pais têm que instruir seu filhos a seguir a trilha da justiça, mas os filhos não são robôs. Eles também têm uma vontade e podem resolver não aceitar a disciplina de seus pais. Assim, o apóstolo Paulo mandou que os filhos se submetam à vontade de seus pais.                             Os filhos têm que obedecer a ambos os pais. Frequentemente os filhos obedecem ao pai que é mais provável que os castiguem e desatendem as instruções do outro! A palavra que é traduzida "pais" em Efésios 6:1 é uma palavra geral que inclui ambos, mãe e pai. Os primeiros nove capítulos do livro de Provérbios foram escritos como se um pai estivesse escrevendo ao seu filho. O autor começa seu conselho a seu filho com o seguinte: "Filho meu, ouve o ensino do teu pai e não deixes a instrução de tua mãe. Porque serão diadema de graça para a tua cabeça e colares, para o teu pescoço" (Provérbios 1:8-9). Observe que o filho precisa seguir a instrução de ambos, pai e mãe.       Aos colossenses, Paulo escreveu a respeito do alcance desta obediência dos filhos: "Filhos, em tudo obedecei a vossos pais, pois fazê-lo é grato diante do Senhor" (Colossenses 3:20). Os filhos deverão obedecer a seus pais quer entendam ou não a razão da ordem dos pais, quer concordem e gostem ou não da ordem dos pais. A verdadeira prova de obediência é quando nos é mandado fazer alguma coisa contra nossas inclinações ou vontade.       Observamos que Paulo escreveu aos efésios que os filhos deveriam obedecer a seus pais "no Senhor." A frase "no Senhor" deveria estar ligada com "obedecer" antes que com a palavra "pais." Paulo não estava sugerindo que os filhos deveriam obedecer a seus progenitores somente se seus pais e mães fossem cristãos (no Senhor"), mas que os filhos devem obedecer a seus pais enquanto tal obediência não conflite com seus deveres para com Cristo.   Pedro exprimiu o mesmo princípio quando reprovado pelo Sinédrio judeu por pregar Jesus Cristo; "antes, importa obedecer a Deus do que aos homens" (Atos 5:29). "No Senhor" constitui a única limitação imposta à obediência de um filho.            Paulo escreveu que os filhos obedecerem "é justo" (Efésios 6:1). Aos colossenses ele escreveu que obedecer assim "é grato diante do Senhor" (3:20). Muitas pessoas, incluindo alguns pais, acreditam que a desobediência é uma coisa natural com os filhos e precisa ser tolerada pelos pais. Contudo, a Bíblia revela que Deus considera ser a desobediência pelos filhos uma coisa séria.                                                                                                                                        O escritor de Provérbios oferece a seguinte dura advertência a quem desobedecer qualquer dos pais: "Quem caçoa do seu pai ou despreza sua mãe, quando ela fica velha, será comido pelos urubus ou terá os olhos arrancados pelos corvos" (Provérbios 30:17). O ponto do autor é claro: aqueles que desobedecem a seus pais sofrerão! Ainda que ninguém vivendo hoje em dia seja responsável por guardar a Lei de Moisés, suas instruções a respeito da desobediência e desrespeito filiais demonstram bem vivamente a atitude do Senhor. A penalidade aplicada a um filho desobediente e rebelde era a morte (Deuteronômio 21:18-21)! O filho que amaldiçoasse ou batesse em seu pai ou em sua mãe era morto por apedrejamento (Êxodo 21:15, 17; Levítico 20:9). Quando Paulo relacionou os vários pecados comuns entre os gentios, ele incluiu "desobedientes aos pais"
Filhos, honrai vossos pais!
Os pais são pessoas que oferecem serviço especial dia após dia, tomando decisões e fazendo sacrifícios no melhor interesse de seus filhos. Muitos pais prefeririam a honra e o respeito de seus filhos a qualquer medalha de honra. As Escrituras, de fato, ordenam aos filhos que honrem seus pais. O apóstolo Paulo escreveu: "Honra a teu pai e a tua mãe [...], que é o primeiro mandamento com promessa, “[...] para que te vá bem, e sejas de longa vida sobre a terra" (Efésios 6:2-3).                                                                                              Honrar, como a palavra grega sugere, significa valorizar ou considerar altamente, ter em grande estima. Um filho pode submeter-se à vontade de seus pais sem tê-los em alta consideração. Seu motivo para submissão pode ser egoísta por natureza. As Escrituras revelam-nos que a obediência do filho deverá originar-se da alta estima que ele tenha por seus pais. Pais nem sempre agem de tal modo que encorajem o respeito de seus filhos, mas os filhos deverão estimar seus pais altamente por causa dos mandamentos de Deus a este respeito.                                                                                    Certamente honrar pai e mãe incluirá obediência e amor por eles, mas esta responsabilidade acarreta muito mais. Os filhos deverão dirigir-se a seus pais com respeito, sem grosseria, sarcasmo ou ridículo. Os filhos demonstram respeito por seus pais ouvindo o que eles têm a dizer. Os escritores de Provérbios aconselham: "Ouve a teu pai, que te gerou, e não desprezes a tua mãe quando vier a envelhecer" (23:22). Os filhos honram a seus pais ajudando-os naquelas tarefas do lar que têm que ser feitas diariamente.                                  Jesus ensinou que honrar os pais envolvia apoio financeiro em casos de necessidade. Os fariseus criticaram os discípulos de Jesus porque eles não lavavam as suas mãos antes de comer, como exigia a tradição dos antigos. Jesus respondeu observando que os fariseus, eles próprios, invalidavam os mandamentos de Deus de modo a manter suas próprias tradições (Marcos 7:1-8). Com exemplo de sua prática, Jesus citou da Lei de Moisés o mandamento para honrar pai e mãe. Ele observou que os fariseus tinham concebido a tradição pela qual invalidavam este mandamento.                                                       Os fariseus ensinavam que um homem poderia declarar como "Corbã" parte dos seus bens com os quais deveriam ajudar seus pais. "Corbã" significava que aqueles bens estavam dedicados ao Senhor e, assim, "santificados," não podiam ser usados para sustentar seus pais. A pior parte desta tradição era que o homem que assim declarasse seus bens como "Corbã" poderia ficar com estes bens e usá-los para si! É fácil de ver que o ponto desta tradição era simplesmente evitar a responsabilidade de uma pessoa para com pai e mãe. A reprovação de Jesus ilustra claramente que a responsabilidade por honrar pai e mãe também incluía assistência financeira quando necessitada.                                                                                         Escrevendo a Timóteo, Paulo também ressaltou a responsabilidade dos filhos em cuidar de seus pais idosos. Falando de a igreja ajudar as viúvas, ele instruiu:
"Honra as viúvas verdadeiramente viúvas. Mas se alguma viúva tem filhos ou netos, que estes aprendam primeiro a exercer piedade para com a própria casa e a recompensar a seus progenitores, pois isto é aceitável diante de Deus ora, se alguém não tem cuidado dos seus e especialmente dos da própria casa, tem negado a fé e é pior do que o descrente" (1 Timóteo 5:3-4, 8).
Nesta passagem, Paulo usou a palavra "honrar" no sentido de auxílio financeiro. Ao mesmo tempo, ele afirmou claramente o dever dos filhos de ajudar ("honrar") seus pais. Tal auxílio é também uma forma de compensação pelo que os pais fizeram por seus filhos. A importância desta responsabilidade é vista na afirmação de Paulo que o crente que não cuida dos membros de sua própria família negou a fé. É evidente que a responsabilidade de um jovem para com pai e mãe não termina quando ele sai de casa. Em conclusão, é impossível servir a Deus aceitavelmente enquanto se negligencia os próprios pais! Não se pode honrar a Deus enquanto se recusa obedecer Seus mandamentos, incluindo o dever de honrar seus pais.

O Plano de Deus é Melhor
Jesus, nosso grande exemplo, foi submisso a seus pais. Ainda que Ele fosse a Divindade em carne, ele seguia o plano de Deus para a família (Lucas 2:51). Deus estabeleceu seu plano para nossas famílias porque ele deseja nossa felicidade e sabe os tipos de relações são mais satisfatórias e recompensadoras. Quando a vontade de Deus é negligenciada, resultam a aflição e a miséria. É verdade geral que os filhos que obedecem e honram seus pais vivem mais, têm vida mais feliz e, mais importante, estão agradando a Deus!
3.3. AMOR DO PASTOR COM A IGREJA
“Dar-vos-ei pastores segundo o meu coração, que vos apascentem com conhecimento e inteligência. Jeremias 3:15.”
O trabalho do pastor na igreja é visto como renunciar sua vida normal e se entregar totalmente ao serviço de Deus, consequentemente ele é visto como alguém caracterizado por uma disposição incrível. Na concepção de outros, o pastor declara um amor maior por Deus.
Princípio Bíblico de Liderança: Em primeiro lugar, a palavra pastor nunca aparece na Bíblia como sendo uma profissão, e sim, como um ministério. Em Atos 20:17 e 28 aprendemos que os presbíteros da igreja deveriam pastorear o rebanho. Pastorear não é exercer um cargo, e sim cuidar do estado espiritual daqueles que foram salvos por Cristo Jesus.                                                                Em segundo lugar, o Novo Testamento não conhece um sistema onde uma só pessoa tem essa responsabilidade, que sempre era atribuída a vários presbíteros. Atos 20:17 “De Mileto mandou chamar os presbíteros da igreja”. E a estes presbíteros Paulo falou: Atos 20:28 "Atendei por vós e por todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu Bispos, para pastoreardes a igreja de Deus, a qual ele comprou com o seu próprio sangue" Atos 14:23 "E, promovendo- lhes em cada igreja a eleição de presbíteros (plural) depois de orar com jejuns, os encomendaram ao Senhor em quem haviam crido" Tito 1:5 b "[...] bem como, em cada cidade, constituísses presbíteros, conforme te prescrevi." Notamos em todas estas passagens que o Novo Testamento ensina que cada igreja deve ter vários presbíteros (Líderes) e que eles em conjunto tem a responsabilidade de pastorear o rebanho de Deus. Naturalmente numa igreja nova isto levará alguns anos até que a igreja tenha vários presbíteros, porém este sempre deve ser o objetivo. O Novo Testamento desconhece totalmente um sistema onde um pastor tem o comando e os outros tem a obrigação de obedecer, na igreja de Cristo. Evidentemente haverá a necessidade que um entre os presbíteros, dirigir o planejamento mas a responsabilidade pastoral recai sobre todo o presbitério. Atos 20:17 e 28.
Pastor segundo o coração de Deus:
Já mencionamos que pastorado não é profissão - é ministério. Quando Jesus designou o apóstolo Pedro para pastorear o rebanho, não perguntou das suas habilidades profissionais, e sim "amas-me mais do que estes outros?" João 21:15-17. Quem ama a Jesus, também amará aos que foram resgatados por Jesus e os tratará como Jesus os tratou. Vamos ver algumas das características do pastor segundo o coração de Deus.                                              
·        Primeira característica: “Auto entrega”
"O bom pastor dá a sua vida pelas ovelhas". João 10:11.                             Este foi o exemplo que Jesus nos deu. O apóstolo Paulo nos dá um exemplo de como se age com pessoas, mesmo cheio de problemas - e até fazendo oposição ao ministério, como foi o caso dos Coríntios, Paulo escreve: "Eu de boa vontade me gastarei e ainda me deixarei gastar em prol das vossas almas. Se mais vos amo, serei menos amado?" II Coríntios 12:15.                      O pastor segundo o coração de Deus não tem pena de si - ele se entrega e se gasta em beneficio das ovelhas de Cristo.
·        Segunda característica: Preocupação com a restauração de cada um individualmente.
 A parábola da ovelha perdida nos mostra este fato:
            "Que vos parece? Se um homem tiver cem ovelhas, e uma delas se extraviar, não deixa para ele nos montes as noventa e nove, indo procurar a que se extraviou? E, se porventura a encontra, em verdade vos digo que maior prazer sentirá por causa desta, do que pelas noventa e nove, que não se extraviaram. Assim, pois, não é da vontade de vosso Pai celeste que pereça um só destes pequeninos." Mateus 18:12-14.  
            Qualquer pastor segundo o coração de Deus fará de tudo para recuperar pessoas que estão se afastando do rebanho.
·        Terceira característica: O pastor segundo o coração de Deus não se coloca em evidência, e sim, prega a Cristo:
             “Porque não pregamos a nós mesmos, mas a Cristo Jesus como Senhor, e a nós mesmos como vossos servos por amor de Jesus" II Coríntios 4:5.  O pastor segundo o coração de Deus sempre ha de se considerar um servo, dando toda a honra a Cristo Jesus.
·        Quarta característica: O pastor segundo o coração de Deus não age como dominador sobre o rebanho, antes serve como exemplo:
             "[...] nem como dominadores dos que vos foram confiados, antes vos tornando modelos do rebanho”. I Pedro 5:3. O bom pastor anda na frente do rebanho como o seu exemplo e as ovelhas o seguem.
 



























REFERÊNCIAS

WEB SERVOS. Os 4 diferentes tipos de amor . Publicado em 08 de agosto de 2011. Disponível em: <http://www.webservos.com.br/gospel/estudos/estudos_show.asp?id=7374>.
Acesso em: 10 Abr. 2012.

SOLA SCRIPTURA. Pastores segundo o coração de Deus. Disponível em: <http://solascriptura-tt.org/EclesiologiaEBatistas/PastoresSegundoCoracaoDeus-X-Infieis-anzen.htm>.Acesso em: 12 Abr. 2012.

DICIONÁRIO HOUAISS – UOL. Disponível em: Paterno.http:<//houaiss.uol.com.br/busca.jhtm?verbete=paterno&stype=k>. Acesso em: 21 Mar. 2012.

SOCIEDADE DOS PROFETAS. Oito razões porque creio que Jesus ressuscitou. Disponível em: <http://sociedadedosprofetas.blogspot.com.br/2010/04/oito-razoes-por-que-creio-que-jesus.html>.Acesso em: 21 Mai. 2012.

WIKIPÉDIA. Amor. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Amor>. Acesso em: 20 Jun. 2012.

SIGNIFICADOS. Amor incondicional. Disponível em: <http://www.significados.com.br/amor-incondicional/>. Acesso em: 10 Jun. 2012.

BÍBLIA ONLINE. Amor de Deus. Disponível em: <http://www.bibliaonline.com.br/acf/s/*/1/AMOR%20DE%20DEUS>. Acesso em: 06 Mai. 2012.

JESUS VOLTARÁ. Amor. Disponível em: <http://www.jesusvoltara.com.br/info/amor.htm>. Acesso em: 10 Mai. 2012.

MS EVANGÉLICO. Como desenvolver o amor entre o casal. Disponível em: <http://www.msevangelico.com.br/estudo.php?ID=93>. Acesso em 05 Abr. 2012.

BUENO, F.S. Dicionário Escolar da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: FAE, 1986.

GOT QUESTIONS MINISTRIE. O que diz a Bíblia sobre ser uma mãe Cristã?. Disponível em: <http://www.gotquestions.org/portugues/mae-crista.html>. Acesso em: 03 Mai. 2012.

ESTUDOS BÍBLICOS GOSPEL MAIS. Ministério missionário – Parte 1. Disponível em: <http://estudos.gospelmais.com.br/o-ministerio-missionario-%E2%80%93-parte-1.html>. Acesso em: 19 

Um comentário:

Fernanda!!!! disse...

Ooooieees menina.
Adorei o texto.
Muito lindo.
Beijos.